Aproveite todos os dias em 2016

 

 

2

Fotografia em frente a Pinacoteca ao fundo o Museu.

 

Daí um dia tu visita o Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, dez dias depois mais nada daquilo que tu encontrou lá dentro existe, o fogo consumiu tudo, do acervo a estrutura¹. No dia seguinte você pega um táxi para ir para o aeroporto para viajar de São Paulo, a lazer ou a trabalho, em um voo, esperando só coisas boas. Sem que você perceba, ou possa fazer qualquer coisa a respeito, sua vida acabou. O táxi foi cortado por outro carro e capotou sobre a rodovia, além do acidente² ele incendiou também. Talvez você tenha tido tempo de ter a consciência do fim, de que tudo terminava ali. Talvez você nem tenha tido a chance de se dar conta disso. Fim. Last Day.³

 

 

Tudo que ia pela sua cabeça desaparece do mundo sem deixar vestígios. Como se jamais tivesse existido. Seus planos de acabar a faculdade ou de fazer outra coisa. Seu amor imenso pelos pais e sua tremenda incapacidade de expressar esse amor. Seu medo da velhice, suas preocupações em relação à carreira. Sua insegurança em relação ao seu real talento, às chances de sobrevivência de suas competências nesse mundo que troca de regras a cada seis meses. Seu receio de que seu namorado ou namorada, de cuja afeição você depende mais do que imagina, um dia lhe deixe. Ou pior: que permaneça com você infeliz, tendo deixado de amá-lo. Seus sonhos de trocar de casa, sua torcida para que a sua diva ganhe um grammy, o tesão que você sente por fazer o que gosta em seu tempo livre. Suas noites de insônia, essa rinite que não te larga, suas saudades do cigarro. Os planos de voltar à academia, a grande fortuna da conta corrente (nem sempre com saldo positivo), todos os amores e os ódios que você angariou e destilou pela vida, as dezenas de pequenos problemas cotidianos que você tinha anotado na agenda para resolver assim que tivesse tempo. Bastou um segundo para que tudo isso fosse desligado. Para que todo esse universo pessoal que tantas vezes lhe pesou toneladas tenha se apagado. Como uma lâmpada que acaba e não volta a acender mais. Fim.

Então, aproveite bem o seu dia. Extraia dele todos os bons sentimentos possíveis. Não deixe nada para depois. Diga o que tem para dizer. Demonstre. Seja você mesmo. Não guarde lixo dentro de casa. Nem jogue seu lixo no ambiente. Não cultive amarguras e sofrimentos. Prefira o sorriso. Dê risada de tudo, de si mesmo. Não adie alegrias nem contentamentos nem sabores bons. Seja feliz. Hoje. Amanhã é uma ilusão. Ontem é uma lembrança. Só existe o hoje e a impermanência das coisas da e na vida.

Texto adaptado de Adriano Silva do Blogue Manual de Ingenuidades.

¹ Notícia do incêndio no Museu: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/12/incendio-destruiu-predio-historico-do-museu-da-lingua-portuguesa-em-sp.html.

²apenas uma hipótese eu e os envolvidos continuamos aqui, hello!

³escrevi ouvindo a música Last Day de Moby com a intérprete Skylar Grey.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s